Em destaque

Drones DJI Matrice 3D/3TD e DJI Dock 2: lançamento revoluciona segurança e monitoramento autônomo

Imagem
A evolução na tecnologia de vigilância acaba de atingir um novo marco com o lançamento dos Drones DJI Matrice 3D/3TD e DJI Dock 2 , definindo um novo padrão para operações de segurança perimetral e monitoramento autônomo. Com características avançadas que incluem operação em diversas condições climáticas, auto-carregamento e uma autonomia de voo estendida, estas soluções estão preparadas para enfrentar os desafios mais exigentes. A Aeroscan, sempre na vanguarda da adoção de tecnologias inovadoras, está entusiasmada em anunciar que, em breve, integrará os Drones DJI Matrice 3D/3TD e o DJI Dock 2 em suas operações de segurança. Esta integração não apenas reforçará a capacidade de monitoramento autônomo como também ampliará os horizontes de segurança perimetral, trazendo aos nossos clientes soluções ainda mais avançadas e confiáveis. Neste artigo, exploraremos em detalhe as funcionalidades e benefícios que esses lançamentos trazem para o campo da segurança patrimonial. Convidamos você a

Drones em ação: conheça as tendências no mercado

 



Cada vez mais vemos drones em ação pelo país. Seja para uso recreativo, produção de filmagens e fotos aéreas ou no monitoramento de segurança patrimonial de empresas públicas e privadas, as aeronaves estão conquistando os brasileiros devido à sua praticidade, alto desempenho e agilidade na pronta resposta. Segundo uma reportagem do portal G1, São Paulo apresentou mais de 29 mil drones cadastrados em agosto de 2021, enquanto o Brasil possuía aproximadamente 85 mil. Cerca de 36 mil desses aparelhos são para o uso não recreativo.

Com o aumento da demanda e das possibilidades de aplicação dos drones, sua tecnologia vem sendo aprimorada e novos modelos surgem no mercado. No setor de monitoramento e proteção, isso não poderia ser diferente. Confira as inovações dos drones para segurança!

Novas tecnologias que colocam os drones em ação

As operações com drones geralmente enfrentam dois desafios: a duração da bateria do equipamento, que afeta o planejamento das rondas, e as condições climáticas da região, as quais podem danificar o aparelho. Os principais avanços tecnológicos na área visam solucionar essas dificuldades – e estão conseguindo.

Assim, surgiu o conceito de drone in a box: aeronaves cuja recarga ocorre em uma base móvel em forma de caixa. Além de extremamente resistentes à chuva, nevoeiro e neve, são muito versáteis. Existem três modalidades:


Drones cabeados: estão sempre ligados à caixa por meio de um cabo que permite voos do equipamento. Dessa forma, as rondas conseguem ser ininterruptas, sem a necessidade de o equipamento parar para carregar. Como a base é móvel, ela também pode ser transportada por um automóvel mesmo com o drone em ação no céu, ampliando o seu campo de vigilância.


Drones híbridos: são conectados por cabos que podem ser removidos durante o voo. Caso o aparelho detecte algo estranho além do perímetro, o seu operador o libera do fio, que cai no solo de forma segura graças a um paraquedas acoplado. Confira o vídeo!


Drones autônomos: se recarregam diretamente nas bases. Isso permite que o drone faça a vigilância de áreas extensas, reabastecendo-se em diferentes pontos da ronda nos quais as caixas são instaladas. Como os equipamentos contêm um software de automação e inteligência artificial, são programados para parar nesses locais do trajeto quando necessário e ainda enviam imagens em tempo real ao operador.

Devido aos seus benefícios, os drones in a box se tornaram ferramentas essenciais às operações de segurança patrimonial em muitos países. Nós, da Aeroscan, trouxemos essas inovações para o Brasil. E também oferecemos um software próprio, especialmente desenvolvido para o melhor desempenho dos drones para segurança, bem como a manutenção dos equipamentos, pois consideramos que, mesmo resistentes, eles estão sujeitos aos danos do uso contínuo.

Automação e Inteligência Artificial (I.A.)

Além de um aparelho eficiente, é preciso um bom programa para colocar um drone em ação. A Aeroscan desenvolveu um software que une automação e inteligência artificial para o melhor desempenho das aeronaves na proteção perimetral.

A automação permite que o equipamento siga rotas pré-determinadas, ou seja, sem a necessidade de o piloto operá-lo durante todo o sobrevoo. Ele seleciona o caminho que deseja que o drone percorra e, durante a ronda, observa as imagens que a aeronave envia em tempo real à central de vigilância. Com isso, há uma menor recorrência de acidentes de pilotagem, visto que a automação reduz erros humanos. A I.A., por sua vez, identifica anormalidades pela câmera do drone e envia uma mensagem ao operador informando-as, assim como pode reagir com alarmes sonoros programados.

Essas duas tecnologias estão em constante evolução. Atualmente, a I.A. dos drones in a box é capaz de localizar um foco de incêndio e, ainda, diferenciar fumaça e fogo, por exemplo. Também existem as aeronaves com câmeras térmicas que, aliadas a um software de I.A., detectam combustões. Foi assim que Aeroscan conseguiu ajudar o corpo de bombeiros no combate a um incêndio na grande São Paulo.

Eficiência na pronta resposta

A junção de equipamentos altamente tecnológicos com a plataforma da Aeroscan resulta em uma pronta resposta mais rápida em qualquer operação. O uso de drones na segurança se mostra eficaz, pois, quando a I.A. ou uma ferramenta de segurança gera um alerta surge uma informação no painel de controle do software do drone e o operador consegue programar o drone para sair da sua rota e alcançar o local rapidamente sobrevoando em uma linha reta. Dessa forma, a aeronave identifica e chega a uma ocorrência antes dos humanos, além de disponibilizar imagens aéreas precisas que auxiliam no acompanhamento da situação.



Gostou de acompanhar as inovações no mercado? Agora venha ver nossos drones em ação! Entre em contato com a Aeroscan e conheça nosso portfólio de serviços e aeronaves.